Sabia que existem drogas sonoras que te deixam tão alucinados quanto drogas de verdade?

Música é muito mais que uma arte. É o espelho da nossa personalidade, nossos sentimentos. Pode ser uma válvula de escape, um vício. E mais que isso: nos dá tanto prazer que chega a ser um orgasmo alternativo em diversos momentos.

E você sabe o que música, sexo, chocolate e cocaína têm em comum? São perfeitos estimuladores do nosso sistema cerebral de recompensa. Nosso cérebro entende que se algo nos dá prazer, precisamos cada vez mais desse algo que nos deixou tão satisfeitos.

Todo esse mecanismo envolve a liberação de substâncias que dão a sensação de bem-estar, como a dopamina. Esse é um dos fatores que faz com que a música, assim como o sexo, o chocolate, a cocaína e tantas outras substâncias e experiências sejam viciantes. E venhamos que é um vício bem saudável, né.

E relação entre música e droga ficou ainda mais evidente com a criação das chamadas “drogas sonoras”. Calma que você já vai entender o que é.

Drogas sonoras?

woman at station listening to music with mobile

Há um tempinho tava rolando nas redes sociais diversos vídeos prometendo te dar praticamente um orgasmo através de música, ou até mesmo a sensação de estar drogado. E é isso mesmo: ao que tudo indica, é possível ter alucinações e alterações de níveis de consciência graças à influência da música – mas não de qualquer música. Existem algumas faixas específicas que prometem causar esses distúrbios visuais.

De acordo com a pesquisadora Helane Wahbeh, da Oregon Health and Science University, as drogas sonoras são, na verdade, as chamadas batidas binaurais, que são provocadas quando ouvimos duas ondas sonoras diferentes simultaneamente. “Quando se escuta esses sons com fones de ouvido estéreo, o ouvinte sente a diferença entre as duas frequências”, explicou a pesquisadora. É por isso, segundo ela, que é possível ter a sensação de que um desses barulhos está vindo de dentro da nossa cabeça.

Leia também: Katy Perry ou Metallica? Seu gosto musical diz muito sobre sua personalidade

Ela explica que se um ouvido escuta uma frequencia de 400 hertz e o outro, uma de 410 hertz, a batida sentida dentro da cabeça é de 10 hertz. É por conta disso, algumas pessoas acreditam que esses sons são capazes de alterar nosso estado de consciência por meio de um mecanismo chamado de “arrastamento das ondas cerebrais”. Em teoria, ele faz com que as ondas cerebrais fiquem sincronizadas com as ondas sonoras que a pessoa escuta.

A equipe de Wahbeh realizou um estudo com quatro pessoas, por meio de monitoramento da atividade cerebral, para tentar comprovar essa ideia. No final das contas, as imagens não revelaram qualquer alteração das ondas cerebrais.

Man listening to music ovelooking city.

Ainda assim, o site I-doser, que vende esse tipo de som, continua sendo um sucesso, especialmente entre os jovens. Lá, é possível comprar diferentes tipos de áudio que prometem efeitos diferentes, como “primeiro amor” e “orgasmo” – eles estão entre os mais procurados. O site, que existe há 10 anos, já vendeu mais de 1 milhão de sons bizarros que prometem mexer com o humor e a libido, acabar com a insônia e, claro, simular efeitos de drogas como maconha, cocaína e ópio. O dono do site, Nick Ashton, afirma que os áudios comercializados têm, no mínimo, 80% de taxa de sucesso, apesar de alguns estudiosos acharem a ideia por trás do site sem sentido algum.

Eles acreditam que o efeito aconteça muito mais pelo poder de sugestão da pessoa que está ouvindo, já que ela realmente acredita que vai ficar “drogada” com o som, e acaba acontecendo um efeito placebo.

E aí, já testou alguma vez? Conta pra gente.

via