“Eu costumava dizer que era um ballet no concreto.”

Apesar de ter sido inventado na década de 1960, foi só na década de 1970 que o skate se tornou um esporte famoso. Daquela época para os dias atuais as pranchas evoluíram muito, assim como os seus praticantes.

Se hoje os skatistas são vistos como adolescentes desleixados, com roupas largas – o que não deixa de ser um certo preconceito, considerando o número de pessoas que andam de skate – nos anos 1970 eles eram “espíritos livres”. Pelo menos é assim que os descreve Hugh Holland, um fotógrafo que acompanhou a cultura do skate entre 1975 e 1978.

Veja também: Já que não podem andar de bicicleta, meninas afegãs andam de skate

“O estilo era incrível!” conta ele. “Foi isso que me atraiu em primeiro lugar. Eu costumava dizer que era um ballet no concreto. Eu fiquei fascinado em poder captar o ponto em que o movimento chagava ao seu máximo.”

Durante anos o fotógrafo acompanhou skatistas na California, que passava por um grave período de seca nos anos 70, deixando muitas piscinas vazias – situação perfeita para manobras de skate. Holland consegui capturar perfeitamente o espirito da época, mostrando homens e mulheres deslizando sobre suas pranchas sobre rodas em movimento leves e fluídos

Veja algumas das imagens de Holland, que também estão no livro “Locals Only: California Skateboarding 1975-1978.”

Skatistas nos anos 70_Addictable (1) Skatistas nos anos 70_Addictable (1) Skatistas nos anos 70_Addictable (2) Skatistas nos anos 70_Addictable (2) Skatistas nos anos 70_Addictable (3) Skatistas nos anos 70_Addictable (3) Skatistas nos anos 70_Addictable (4) Skatistas nos anos 70_Addictable (4) Skatistas nos anos 70_Addictable (5) Skatistas nos anos 70_Addictable (5) Skatistas nos anos 70_Addictable (6) Skatistas nos anos 70_Addictable (7) Skatistas nos anos 70_Addictable (8)