Antes da computação gráfica, efeitos especiais dependiam de muita criatividade.

É quase impossível ir aos cinemas hoje em dia e achar algum filme que não possua efeitos especiais feitos por computação gráfica. As famosas telas verdes parecem ser um cenário constante em quase toras as produções. Mas nem sempre foi assim.

Veja também: Como são os filmes antes e depois dos efeitos especiais

Na época do cinema mudo, os efeitos especiais não saiam das telas dos computadores, mas de truques de luz, ângulos de câmeras e perspectiva. Algo que é simples hoje exigia muita criatividade dos diretores daquela época.

O editor do Reddit Auir2blaze compilou algumas cenas de filmes da época, em formato gif, e explicou como elas foram feitas, incluindo cenas dos bastidores.

O Homem Mosca (1923)

O efeito aqui é baseado na perspectiva. O cenário foi feito montado na altura certa para o ator escalar, porém em um prédio do outro lado da rua. Conforme a posição da câmera, o cenário se encaixa nos prédios da rua.

Tempos Modernos(1936)


Nesse filme, parte do cenário era pintado em um vidro colocado na frente da câmera.

 

The Black Pirate (1926)

Quem desenvolveu o método para essa cena foi o próprio ator, Douglas Fairbanks, junto com seu irmão Robert, que era engenheiro. A faca usada pelo ator estava conectada em um sistema de contrapeso, que ficava oculto pela posição da câmera. Eles usaram uma hélice de avião para fazer a vela tremular.

 

Ella Cinders (1926)

As duas metades do rosto foram filmadas separadamente. Basicamente, tratava-se de um vidro com uma parte pintada colocado na frente da câmera para que apenas um lado fosse exposto. O filme então era rebobinado, e o vidro era invertido. O segredo era evitar que a câmera ou a atriz se mexessem muito, para que a junção ficasse ideal.

 

Little Lord Fautleroy (1921)

Fazer Mary Pickfords beijar a si mesma não foi nada fácil. O efeito é parecido com o que foi usado no truque do olho de Ella Cinders, mas muito mais complexo. Nesse filme, o diretor fez uma silhueta detalhada da atriz em uma tela de vidro para evitar que o filme fosse exposto. Depois ele filmou a atriz sentada. Perceba que ela praticamente não se mexe. Também foi usado um equipamento para evitar que a câmera se mexesse e perdesse o enquadramento.

A cena de 3 segundos demorou 15 horas para ser gravada.

Ben-Hur (1925)

Para essa cena em que Jesus cura leprosos foram usados filtros. Quando os filtros eram ajustados, a maquiagem não ficava mais visível no filme. Como os filmes eram apenas preto e branco, as cores dos filtros não impactavam muito a fotografia geral.

 

Sherlock Jr. (1924)

Mais um efeito de filme dividido. Aqui, evita-se que a parte de baixo do filme seja exposta, permitindo que o ator passe com a moto na ponte inteira. A parte de baixo, com os caminhões e sem parte da ponte, foi filmada posteriormente.