Publicitárias criam “Cerveja Feminista” por direitos iguais e contra o machismo nas propagandas de cerveja

Lembra da cagada que a Skol fez antes do carnaval com um outdoor super machista e ofensivo com o “Esqueci o ‘não’ em casa”? Gerou uma super polêmica, com toda a razão, tanto que a marca tirou do ar e substituiu por frases um pouco mais leves e positivas.

Então, depois disso, três publicitárias decidiram levar essa história um pouco mais a fundo. Thais Fabris, Larissa Vaz e Maria Guimarães criaram uma cerveja chamada Feminista para convidar tanto homens quanto mulheres à brindarem por um mundo com direitos iguais de gêneros, conversarem à respeito e desconstruir a imagem da mulher como um objeto bonito e burro dentro da indústria de bebidas, sugerida por grande parte das marcas em suas comunicações.

“A gente achou que a discussão não deveria acabar e que a publicidade de cerveja não pode continuar com o estilo de hoje. Resolvemos subir o site em três dias e fizemos uma parceria com um produtor” disse Maria.

Elas disseram que o problema não começou com o anúncio da Skol e que querem questionar o mercado publicitário. E mais, disseminar que feminismo é apenas uma luta contra o machismo e por direitos iguais, e não por uma supremacia feminina.

Cerveja feminista (2)

Inicialmente produzida com o apoio dos cervejeiros Marilia Hamada e Otávio Dornelas, a Feminista é uma Red Ale com um “sabor refrescante, maltado, levemente lupulado e final limpo”. A ideia era manter a produção de forma caseira, mas em 2 dias elas receberam 1200 encomendas que superou a capacidade do grupo, que agora está negociando com uma cervejaria artesanal para dar conta dos pedidos.

Você pode encomendar a sua no site da cerveja.